povo que lavas no rio,

Amália Rodrigues : Povo que lavas no rio
Música: Fado Victoria
Letra: Pedro Homem de Melo
Versos de Segunda (jeito de jj)
--------------------------------------------------------------------------------


Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

Fui ter à mesa redonda
Bebi em malga que me esconde
O beijo de mão em mão.
Era o vinho que me deste
A água pura, puro agreste
Mas a tua vida não.

Aromas de luz e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição.
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não.

Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

3 votes. Moyenne 3.00 sur 5.

Commentaires (3)

1. Masami 19/02/2007

Erreur!
"Aromas de urze e de lama"

2. F.M. 04/05/2007

um grande obrigado aos amigos da ERADA por terem tido esta ideia magnifica de levarem aos 4 cantos do mundo as tradiçoes do nosso povo LUSITANO e estes fados da grande AMALIA que tanto nos deu e tanto nos deixou... Um amigo do FERRO que muito vos estima e que vos lê em frança actualmente.

3. Masami 06/05/2007

Pardon! J'ai oublié de rectifier un autre erreur.
"Água (sans l'article defini "A") pura, fruto agreste".

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

http://larecup.e-monsite.com

http://larecredelucia.e-monsite.com

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site